Artigos

aromaterapia

Esta tag está associada a 4 posts

Cosméticos Naturais x Cosméticos a base de produtos naturais

Um importante conceito se associa aos cosméticos naturais: trata-se dos “produtos orgânicos”.

Pesquisas indicam que o conceito de produtos orgânicos ainda está muito associado à alimentação e, principalmente, às leguminosas. Entre esses produtos menos conhecidos estão os cosméticos, que não são exatamente orgânicos, e sim naturais.

Os cosméticos são produzidos com extratos de plantas cultivadas com métodos orgânicos, e elaborados em um ambiente industrial semelhante ao de um laboratório farmacêutico. Nesse caso, a diferença entre o natural e orgânico é pequena, mas as semelhanças são grandes.

Entretanto, há diferenças significativas entre cosméticos naturais e cosméticos com ingredientes naturais em sua formulação. Isto quer dizer que não basta haver um ingrediente natural na fórmula para fazer do cosmético um produto natural. Para que os cosméticos sejam considerados naturais, devem seguir rígidos padrões em seu processo de formulação e não conter qualquer ingrediente químico entre seus componentes.

Desse modo, empresas como Natura, Boticário, Chamma da Amazônia e outros, que construíram a força de suas marcas a partir da ênfase da presença de ingredientes naturais e/ou provenientes da floresta amazônica em suas fórmulas, não produzem cosméticos puramente naturais.

São cosméticos com formulação química tradicional, que contêm alguns ingredientes ativos de origem natural, mas também contêm conservantes e outros aditivos químicos em sua composição.

Os ingredientes naturais, devido aos baixos percentuais nas formulações, são fortes apelos promocionais para o mercado consumidor, mas não bastam para enquadrar legalmente esses cosméticos na categoria de cosméticos naturais.

Outra associação interessante que vem à tona quando se fala em produtos naturais e orgânicos é a valorização da harmonia. Os cosméticos naturais não são preparados apenas para manter a pele bonita e sadia, eles procuram estender seus efeitos a todo o organismo, buscando um equilíbrio saudável. Os resultados estéticos finais dependerão, portanto, da saúde total do corpo.

Anúncios

Óleos essenciais

Os óleos essenciais são a alma das plantas, sua essência e como tal concentram seus princípios ativos. Podem ser usadas diversas formas de extração deste material mais valioso e de todas as partes das plantas, cada uma com uma maneira particular de indicação.

De forma geral não devem ser ingeridos, salvo com indicação de um terapeuta específico, o aromatologista. Devido à sua natureza muito concentrada, na maioria das aplicações são usadas ”gotas” em vez de mililitros. A minúscula estrutura molecular de cada óleo penetra através da superfície da pele ou dos nervos olfativos do nariz. Quando absorvido pelos fluidos que circundam as células da pele, os óleos essenciais limpam, rejuvenescem, equilibram e trazem benefícios anti-sépticos. Quando difundidos no ar, tem efeito purificante, revigorante, calmante, estimulante e antibactericida. Eles trabalham para sua saúde tanto de maneira tópica quanto interna.

Atuam no indivíduo principalmente através do olfato, que leva suas propriedades essenciais a exercerem ações de forma específica em nosso organismo.

O olfato

Nosso olfato é 10.000 vezes mais sensível do que o paladar. É o mais aguçado dos sentidos. Seres humanos são capazes de processar até 100.000 cheiros diferentes. Na maioria das vezes, é difícilquantificar os benefícios disto. Os aromas nos ajudam a sentir melhor e sentir-se bem pode ter uma enorme influência terapêutica sobre os sintomas físicos relacionados ao stress.

O olfato é a mais impalpável das formas de comunicação. O sistema olfativo do cérebro humano possui um mecanismo-chave que nos permite lembrar dos odores, que o cria uma percepção individual do aroma, uma preferência por determinado cheiro e uma reação específica a ele. O aroma funciona como uma chave que abre a porta da mente à verdadeira memória olfativa. O olfato pode proporcionar uma sensação positiva ou negativa, forte ou fraca, excitante ou relaxante, vívida ou vaga, tudo vai depender do que associamos ao cheiro.

Os odores estimulam parte do cérebro que afeta a emoção. Vários estudos recentes confirmam os benefícios dos aromas naturais quando chegam ao cérebro através dos nervos do nariz.

Clique aqui para conferir a indicação específica de cada óleo ou para comprá-los.

MODO DE USAR:

As receitas exatas dependem da potencia e da concentração dos óleos essenciais usados. Essas sugestões são básicas. Adicionar uma ou duas gotas é fácil, mas retirar uma delas não é possível. Senecessário, aumente a dose.

inalação: comece com 2-5 gotas. Pingue num lenço ou num pedaço de pano. Coloque no nariz

difusor: comece com 5-10 gotas. Pingue-as na parte porosa do difusor. A temperatura ambiente ou a luz solar ativam o aroma. Adicione mais gotas se necessário.

difusor de ambiente: dependendo do modelo ou do tipo, comece com 10-15 gotas. Um ventilador, uma lâmpada ou vela ativam o aroma. Adicione mais gotas se necessário.

difusao usando lâmpadas: use 5-10 gotas numa argola especifica adaptada à lâmpada. O calor ativa o aroma. Adicione mais gotas se necessário.

banho ou lava pés: comece com 2-5 gotas. Pingue-as na água, mexa e entre imediatamente. Adicione mais gotas, se necessário, dependendo da potencia do óleo e da sua preferência pessoal. Fique imerso por 15 minutos.

compressas: comece com 2-5 gotas. Pingue-as na água quente ou fria. Dobre um pedaço de pano e mergulhe nela. Torça para tirar o excesso. Aplique imediatamente na área dolorida.

vaporização facial: comece com 1 gota para cada xícara de água fervente. Coloque a água em uma baciae depois pingue as gotas. Cubra a cabeça e a bacia com uma toalha e vá se virando para um lado e para o outro.

massagem: comece com 15 gotas para cada 30 gramas de óleo vegetal (fator de diluição de 2,5%) para massagem corporal. Aumente para 30 gotas (fator de diluição de 5%) quando aplicar em uma área especifica. Você pode usar ate quatro óleos essenciais, contanto que o total seja de 15 gotas.

repelente: use 15 gotas para 30 gramas de óleo vegetal. Aplique em todas as áreas expostas e repita a aplicação se necessário. Não use óleos que aumentem fotosensibilidade da pele durante o dia.

para refrescar o ar: use 2-10 gotas para cada 30 gramas de água. Misture e aplique com um spray, para substituir os odores desagradáveis por um aroma gostoso. Prepare um pouco de cada vez, para garantir maior refresco.

limpeza da casa: adicione 2-5 gotas ao desinfetante atóxico e limpe mesas e demais superfícies da coinha e do banheiro.

BENEFÍCIOS DOS ÓLEOS ESSENCIAIS

 ADSTRINGENTE: gerânio; lavanda; rosa; palmarosa. AFRODISÍACO: canela; jasmim; patchouli; rosa; sálvia; sândalo; ylang-ylang; noz moscada. ÂNIMO: cedro; junípero; manjerona. ANTI-SEPTICO: bergamota; canela; cedro; cravo; eucalipto; gerânio; lavanda; limão; olíbano; sálvia; tea-tree. APARELHO RESPIRATÓRIO: benjoim; cipreste; eucalipto; lavanda; menta; olíbano; tea-tree. BEM-ESTAR: camomila; capim-limão; laranja; lavanda; litsea cubeba; macela; manjerona; olíbano; rosa. CALMANTE: bergamota; camomila; capim-limão; cedro; lavanda; laranja; macela; manjerona; olíbano; patchouli; rosa; tangerina. COURO CABELUDO: alecrim; cedro; menta; sálvia; ylang-ylang. DIGESTIVO: menta; erva-doce; lavanda; noz-moscada; tea-tree. DESINFETANTE PARA AMBIENTE: eucalipto; limão; pinho; tea-tree. ELEVAR O HUMOR: alecrim; bergamota; gerânio rosa; laranja; ylang-ylang. ENERGÉTICO: alecrim; cipreste; cravo; junípero; manjerona; menta; noz-moscada; pinho. EQUILÍBRIO: camomila; eucalipto; gerânio; jasmim; lavanda; olíbano; rosa. ESTIMULANTE: alecrim; canela; cipreste; eucalipto; gengibre; junípero; laranja doce; limão; manjericão; menta; olíbano. ESTIMULANTE MENTAL: alecrim; cravo; manjerona; menta; petitgrain. FORTIFICANTE: gengibre; limão; vetiver; patchouli; gengibre. INSONIA: manjerona; lavanda. REGULADOR: gerânio; sálvia; rosa; sândalo; jasmim; lavanda. RELAXANTE: lavanda; macela; camomila; jasmim; olíbano. SISTEMA IMUNOLÓGICO: lavanda; tea-tree e limão

PRECAUÇÕES GERAIS:

Óleos essenciais não devem ser usados por bebês até três meses, gestantes no primeiro trimestre e idosos debilitados. Consulte um profissional qualificado nos casos de epilepsia, doenças respiratórias graves, hipertensão, alergia, doenças graves, e gravidez, pois alguns óleos podem ser contra-indicados ou ter indicações especificas para esses casos. Para crianças e bebês use quantidades extras diluídas (1 ou 2 gotas), somente os óleos de lavanda e camomila. Se estiver tomando remédios homeopáticos consulte seu médico antes de usá-los. A não ser em casos indicados, não aplique óleo essencial puro diretamente na pele, pois podem causar reações. Em caso de irritação, aplique no local óleo vegetal para limpar a pele. Nunca faça uso de óleo essencial oralmente, somente sob orientação médica. Óleos essenciais que não devem ser usados antes de exposição ao sol: bergamota, limão, laranja, grapefruit e tangerina. Não substituir os óleos essenciais por um acompanhamento médico, quando este for necessário.

Evitar exposição solar direta ou calor nos óleos essenciais. Manter os frascos longe do alcance de crianças. Os óleos essenciais são solventes e inflamáveis, portanto mantenham longe do fogo, plástico e madeira. Não esfregar os olhos após manipular óleos essenciais. Caso ocorra algum acidente, lavá-los bem com muita água, se possível leite integral e procurar ajuda médica.

Aromaterapia x Limão

Há mais de 6 mil anos os egípcios já conheciam o poder das substâncias aromáticas e suas influências sobre a saúde do corpo físico, mente e espírito. Eles faziam maceração de plantas, obtendo óleos para massagens e cuidados com a saúde.

Foram os egípcios que compilaram a primeira farmacopéia que se conhece e, apesar de sua medicina ser impregnada de religiosidade e magia, eles possuíam um pensamento empírico, ou seja, usavam as essências a partir de experiências e do acúmulo de resultados práticos.

No início do século XVI, Paracelso, um médico suíço, considerado o pai da Farmaquímica, estudou a extração do que chamou “alma dos vegetais”, recebendo posteriormente o nome de óleo essencial (OE).

Entretanto, os OEs, mais que a “alma dos vegetais”, são também impregnados de “aromas” que penetram no Ser via olfato, chegando em milésimos de segundos diretamente ao sistema nervoso central.

Portanto, a Aromaterapia é uma técnica terapêutica que usa como ferramenta de tratamento – em primeiro plano – os estímulos olfativos. Inalar diretamente os aromas indicados para cada caso é a primeira forma de tratamento.

Em segundo plano, a Aromaterapia faz uso dos poderosos ativos contidos nos óleos essenciais, podendo, em casos especiais, formular sinergias para massagens corporais (uso externo e tópico) e para uso interno, como é o caso da Aromatologia.

Aromaterapia é, portanto, a arte e a ciência que usa estes OEs naturais – extraídos de plantas, raízes, frutos, sementes e cascas – em tratamentos terapêuticos de cunho integrativo; ou seja, tais aromas tratam o corpo físico, mas também o emocional, o mental e o espiritual.
Como funcionam os óleos essenciais (OEs)?

Seu efeito pode ser observado simplesmente por inalação ou na aplicação de poucas gotas dissolvidas em óleo vegetal (jamais mineral) aplicados na pele ou volatilizado no ambiente. O nervo responsável pelo olfato tem uma ligação direta com os centros nervosos que controlam a emoção. Por essa razão a Aromaterapia tem efeitorápidono corpo físico através da sua ação instantânea no emocional.

Aliás, o efeito terapêutico dos OEs via sistema nervoso central (SNC) costuma ser mais poderoso do que via metabolismo digestivo, motivo pelo qual sua aplicação é, principalmente, pelo olfato e/ou absorção cutânea e, menos comum, pela ingestão.
O Óleo Essencial (OE) de Limão na Aromaterapia

Com seu fantástico poder de cura, é previsível que o seu óleo essencial, extraído de suas cascas, faça parte importante do “kit pronto-socorro” da Aromaterapia.

Enquanto o OE de laranja é visto somente como um subproduto da indústria do seu suco, o OE de limão já é visto como um produto de importância maior. No Brasil, todos os OEs cítricos são obtidos pela compressão de suas cascas, mas na Europa existem alguns OEs de limão que são obtidos por arraste de vapor. Na Europa a casca do limão-siciliano é a mais utilizada para tal extração, enquanto no Brasil cresce o uso do limão-tahiti. O Brasil é o quinto produtor mundial de OE de limão.

Para a obtenção de 1 litro de OE de limãosão necessárias as cascas de cerca de 2.500 limões. Trata-se de um líquido oleoso de cor amarela ( limão Siciliano) ou esverdeada ( limão Tahiti), que apresenta inconfundível e agradável aroma de limões frescos.

O componente químico que predomina (65%) nestes OEs é um aldeído chamado d-limoneno. Mas, na verdade, trata-se de uma mistura natural de diversos monoterpenos, entre eles, cerca de 10-20%, de pinenos e, aproximadamente, 10% de gama-terpineno.

Na Aromaterapia o OE de limão (todas as variedades) é muito requisitado por sua leveza e elevado poder terapêutico. Trata-se de um OE multi-propósito, gerando sinergias alquímicas com vários outros OEs.

O OE de limão é indicado para aliviar todas as tensões da cabeça e mentais, quer se tenha uma dor de cabeça, um resfriado ou a mente exausta. Traz energia, ativa a circulação periférica, sangüínea e linfática, tratando desde a celulite, a desintoxicação interna, periférica, até a temperatura das extremidades como da cabeça, mãos e pés.

Ele é tonificante, diurético, carminativo (elimina gases), digestivo e imuno-estimulante. Adstringente, desodorizante, anti-séptico, antibiótico e cicatrizante. Estimulante e antidepressivo, ao mesmo tempo calmante, sedativo, antiespasmódico e antiesclerótico.

Tônico geral, trata infecções – por ser bactericida e anti-séptico -, intoxicações (tanto renal quanto intestinal), digestão – por ser tônico e depurativo -, obesidade, problemas de pele, cansaços, depressão, câncer, sistema imunológico – ao estimular a produção de leucócitos -, reumatismo, resfriado, gripe e juntas inflamadas.

O OE de limão atua no emocional estimulando o resgate da alegria de viver, pois ativa a consciênciae válvulas de escape dos estados de ansiedade, depressão e desânimo; dispersa e refresca confusões emocionais e dúvidas.

Melhora o foco da consciência e da busca do auto-conhecimento, clareando e elevando o intelecto.

Acalma, deixa o emocional mais leve. É um promotor eficaz do positivismo e bom humor, ao interromper situações e pensamentos de má-vontade, negativismo e desistência.

Ativa as atitudes mentais de persistência e determinação.

Encoraja, dá confiança e segurança. Ajuda a abrir o coração, aliviando medos e envolvimentos emocionais. Trabalha, em paralelo, a mágoa oculta ou reprimida.

fonte: site doce limão, autora: conceição trucon

%d blogueiros gostam disto: