Artigos

saúde e bem estar

Esta categoria contém 32 posts

Chia (Salvia hispanica)

A planta medicinal Chia (Salvia hispanica) é também conhecida por Chia-Dourada ou Golden Chia (Salvia columbariae). A Chia é rica em ácidos graxos ômega-3 e pertence a mesma família Lamiaceae.

Usos Tradicionais: constipação, diabetes, fadiga, febre, feridas, hipertensão, intestino ressecado, Mal de Alzheimer.
Propriedades Medicinais: antioxidante, demulcente, diaforético, emoliente, expectorante, laxante, nutritivo.

Tanto as sementes da Chia, quanto o restante da planta, são ricas em ômega-3, um ácido graxo poli-insaturado que oferece excelentes benefícios para a função cognitiva e ao cérebro, redução do risco de doenças vasculares e certostipos de câncer. A Chia é também rica em vitaminas, fibras alimentares e também possui propriedades antioxidantes. Na medicina alternativa, as qualidades demulcentes e refrescantes das sementes de Chia as tornam excelente para melhorar a constipação e a febre. É usada cataplasma para o tratamento de feridas. Devido a sua composição, a Chia afeta positivamente em alguns tratamentos de depressão e transtornos do humor. Também pode aliviar distúrbios cerebrais, como o Mal de Alzheimer e Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH). As sementes também podem ser úteis para os diabéticos, podendo ajudar na estabilização do açúcar no sangue e prevenção da hipertensão.

Em um estudo de 2007 no Diabetes Care, pesquisadores descobriram que pacientes com diabetes mellitus tipo 2, que consumiram 37 g de chia (cerca de 6 colheres de sopa) por dia, tiveram sua taxa de proteína C-reativa (um marcador de inflamação) diminuirem em 32%, além da diminuição da pressão arterial sistólica e diastólica, e uma melhoria na taxa de açúcar no sangue.

A semente da Chia é composta de aproximadamente um terço de proteínas, um terço de óleo e um terço de fibra solúvel dietética. O óleo na semente de Salvia hispanica contém concentração de dois terços de ácido graxo ômega-3. A semente também possui em sua composição, antioxidantes e aminoácidos, além de não conter glúten e possuir pouco sódio. É uma das fontes vegetais com maiores concentrações de ômega-3, ferro e cálcio.

Existem variações da semente de Chia, que podem ser pretas, brancas ou misturadas. No entanto, todas pertencem à mesma variedade botânica e essas diferenças ocorrem dependendo da área cultivada, o que não chega a alterar as propriedades da planta.

O Uso da Chia na Culinária

A planta inteira pode ser consumida em saladas, sopas ou cereais. As sementes da Salva hispanica podem ser comidas cruas ou adicionais a farinhas para bolos. A Chia natural fresca é uma bebida saudável quando feita por imersão das sementes em água ou suco de frutas. Pode ser também utilizada como especiaria na cozinha, para ser borrifada em pães, bolos e biscoitos.

História e Curiosidades

A Chia é uma erva nativa do Sudoeste Americano e da América Central, encontrada principalmente no México. Foi muito valorizada como fonte de alimento primária pelos Astecas. Dizia-se que uma colher de chá de semente de Chia(Salvia hispanica) era suficiente para sustentar um índio durante um longo dia de marcha. Há controvérsias sobre a origem do nome Chia, sendo que a versão mais aceita é que a palavra é derivada de chiabaan, que significa “fortalecimento”.

Outra pesquisa diz que o nome da semente, na verdade oriunda da palavra asteca “chian”, que
significa “oleosa”, sendo que a planta já foi utilizada como moeda de pagamento no império Asteca.

texto extraído do portal plantamed.

Cosméticos Naturais x Cosméticos a base de produtos naturais

Um importante conceito se associa aos cosméticos naturais: trata-se dos “produtos orgânicos”.

Pesquisas indicam que o conceito de produtos orgânicos ainda está muito associado à alimentação e, principalmente, às leguminosas. Entre esses produtos menos conhecidos estão os cosméticos, que não são exatamente orgânicos, e sim naturais.

Os cosméticos são produzidos com extratos de plantas cultivadas com métodos orgânicos, e elaborados em um ambiente industrial semelhante ao de um laboratório farmacêutico. Nesse caso, a diferença entre o natural e orgânico é pequena, mas as semelhanças são grandes.

Entretanto, há diferenças significativas entre cosméticos naturais e cosméticos com ingredientes naturais em sua formulação. Isto quer dizer que não basta haver um ingrediente natural na fórmula para fazer do cosmético um produto natural. Para que os cosméticos sejam considerados naturais, devem seguir rígidos padrões em seu processo de formulação e não conter qualquer ingrediente químico entre seus componentes.

Desse modo, empresas como Natura, Boticário, Chamma da Amazônia e outros, que construíram a força de suas marcas a partir da ênfase da presença de ingredientes naturais e/ou provenientes da floresta amazônica em suas fórmulas, não produzem cosméticos puramente naturais.

São cosméticos com formulação química tradicional, que contêm alguns ingredientes ativos de origem natural, mas também contêm conservantes e outros aditivos químicos em sua composição.

Os ingredientes naturais, devido aos baixos percentuais nas formulações, são fortes apelos promocionais para o mercado consumidor, mas não bastam para enquadrar legalmente esses cosméticos na categoria de cosméticos naturais.

Outra associação interessante que vem à tona quando se fala em produtos naturais e orgânicos é a valorização da harmonia. Os cosméticos naturais não são preparados apenas para manter a pele bonita e sadia, eles procuram estender seus efeitos a todo o organismo, buscando um equilíbrio saudável. Os resultados estéticos finais dependerão, portanto, da saúde total do corpo.

Fitoterápicos usados no SUS

SUS DA REDE DO RECIFE VAI DISPONIBILIZAR SEIS MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS

A partir da segunda quinzena de janeiro, seis medicamentos fitoterápicos serão incorporados à lista de produtos disponibilizados gratuitamente na rede do Recife do Sistema Único de Saúde (SUS). Eles apresentam propriedades terapêuticas variadas, desde antiinflamatórios, expectorantes e calmantes a analgésicos, antidepressivos, digestivos e antiácidos.
Os medicamentos fitoterápicos utilizam derivados dos vegetais em preparações industrializadas, elaboradas por técnicas de farmácia. Os remédios oferecidos pela Prefeitura de Recife (PE) são registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que exige o cumprimento de critérios de segurança, qualidade e eficácia.
Profissionais da rede municipal foram capacitados para referendar a prescrição dos fitoterápicos na atenção básica. Os novos itens serão disponibilizados em apresentações variadas, como cremes, cápsulas, pomadas e xaropes. Segundo a Secretaria de Saúde, foram investidos R$ 700 mil na compra dos itens.

Veja quais são:

Arnica: anti-inflamatória

 

 

 

Hipericum perforatum (Erva-de-São-João): anti-inflamatória, calmante, cicatrizante, antisseborreica e antidepressiva

 

 

Maytenus ilicifolia (Espinheira-Santa): antiácida, analgésica, antidispéptica, cicatrizante, digestiva, antiulcerosa, anti-inflamatória e antiespasmódica

 

 

Mikania glomerata (Guaco): broncodilatadora, expectorante e antibacteriana

 

 

 

Peumus boldus (Boldo-do-Chile): estimulante biliar, digestiva, sedativa e antibacteriana

 

 

 

 

Valeriana officinalis (Valeriana): tranquilizante, sedativa, relaxante e ansiolítica

 

 

Com informações da assessoria de imprensa da Prefeitura do Recife.

Fonte: Jornal do Comércio

Escrito por Conbrafito

Qua, 18 de Janeiro de 2012 12:21

%d blogueiros gostam disto: